WeCreativez WhatsApp Support
Nossa Equipe está aqui para responder às suas perguntas.
Oi, como podemos ajudar?

Investimento do Brasil no Paraguai triplica

Empresários brasileiros visitam uma fábrica de dvds em Cidade do Leste
25 de octubre de 2010
EXPO INTEGRAÇÃO 2010
18 de noviembre de 2010
Investimentos

Investimentos

Brasileiros aplicaram US$ 413 milhões em negócios no país vizinho no ano passado. Em 2005 haviam sido US$ 137 milhões.

.

.

.

Investimentos do Brasil no Paraguai

Investimentos do Brasil no Paraguai

Com baixa carga tributária e mão de obra barata, o Paraguai tornou-se uma espécie de porto seguro para empresários brasileiros. De 2005 a 2009, os investimentos no país vizinho vindos do Brasil triplicaram – passando de US$ 137 milhões para US$ 413 milhões. A expansão segue o mesmo ritmo dos aportes norte-americanos, mas está bem acima do crescimento de investimentos com origem argentina. Os negócios não só cresceram como se diversificaram. Em 2005, a maioria dos brasileiros abria empresas no Paraguai na área de metalurgia e confecções. Hoje, eles investem também em hotelaria, comércio de artigos esportivos, calçados, cimento e frigoríficos.

A rede brasileira de hotéis Bourbon terá no Paraguai seu primeiro empreendimento no exterior. No ano passado, o grupo foi escolhido pela Confe­de­ração Sul-Americana de Futebol (Conmebol), por meio de licitação, para construir um hotel cinco estrelas em Assunção, capital do Paraguai, com investimentos de cerca de US$ 30 milhões. O Bourbon Conmebol Convention Hotel já está em obras, e fica localizado junto ao prédio da Conmebol, onde já existe um centro de convenções e o Museu do Futebol. O empreendimento terá 168 apartamentos, além de academia, salão de beleza e spa – aos moldes dos hotéis de luxo da rede no Brasil. O hotel será o maior espaço com centro de convenções no Paraguai, com acomodação para cerca de 4 mil pessoas. A inauguração está prevista para o dia 1.º de maio, aniversário do bicentenário da independência paraguaia.

O gerente geral da unidade Bourbon Cataratas, em Foz do Iguaçu, Francisco Calvo, diz que inúmeros fatores levaram a empresa a decidir pelo investimento no Paraguai, incluindo a expertise da rede em centros de convenções e o potencial do Paraguai em desenvolver um mercado voltado ao brasileiro. O crescimento da economia paraguaia e o dinamismo de Assunção – cidade que tem atraído muitos eventos – também pesaram na balança. Segundo Calvo, a ideia é que os turistas retomem o antigo roteiro entre Foz do Iguaçu e Assunção, comum antes da construção da usina hidrelétrica de Itaipu e do crescimento do comércio em Ciudad del Este. “Nosso objetivo é conseguir que pelo menos 10% do público que vai às Cataratas faça um prolongamento à capital paraguaia”, diz. A distância entre as duas cidades é de 350 quilômetros.

O presidente da Associação Industrial de Alto Paraná (ASIP), Carlos González, vê com bons olhos a presença de brasileiros no Paraguai. Além de os negócios gerarem novos empregos, ele entende que os investimentos trazem tecnologia para o país. Até há pouco tempo, diz Gon­zález, os paraguaios procuravam a Espanha e a Itália para trabalhar. Hoje, 80% conseguem trabalhar no próprio país. O secretário de Indústria e Co­­mércio de Alto Paraná, Nelson Amarilla, diz que o momento favorável da economia do Brasil também alavanca o Paraguai. “O Brasil é uma locomotiva do Mercosul. Quando o país vai bem, nós também nos saímos bem.”

Inflação

Por outro lado, González acredita que os altos salários pagos pelos brasileiros inflacionaram o mercado. “Como o custo do empregado é baixo, os brasileiros pagam melhores salários.” No Paraguai, o salário mínimo equivale hoje a R$ 590, para uma jornada de 48 horas (no Brasil são 44 horas). A legislação paraguaia prevê ainda o direito a 12 dias de férias no primeiro ano de emprego. Só após 10 anos de trabalho se ganha o direito de gozar 30 dias (com exceção de algumas categorias que têm contratos diferenciados).

Potencial

País de população jovem e mão de obra barata

Além do baixo custo com encargos trabalhistas, o diretor do Centro Empresarial Brasil-Paraguai (Braspar), Wagner Enis, diz que há outras características da legislação paraguaia que atraem investimentos brasileiros no país. Ele cita, por exemplo, os encargos sociais (IPS, férias e 13º salário) do país, que representam 35% do salário base – contra 105% no Brasil – e a carga tributária representa 8% do PIB, enquanto no Brasil é de 36,5%. Além disso, o Paraguai tem a população mais jovem da América do Sul, o que o torna competitivo quando a questão é mão de obra.

Para o diretor, a infraestrutura no país vizinho também motiva os investimentos. O país tem hoje 5 mil quilômetros de rodovias asfaltadas, pedágio com preços entre R$ 2 e R$ 4, e três aeroportos a cerca de uma hora e meia dos principais centros de negócios do Mercosul – o país é considerado um ponto estratégico não só para a aviação, mas para toda a logística de importação e exportação. Ainda em relação ao transporte, Enis argumenta que a hidrovia Paraná-Paraguai – que hoje movimenta mais de 15 milhões de toneladas/ano – reduz o custo do transporte em até 75% do Paraguai até portos da Argentina ou do Uruguai.

Energia

As perspectivas de negócios entre Brasil e Paraguai devem melhorar a partir do próximo ano em razão da construção de uma linha de energia de 500 KV entre Itaipu e Assunção. A licitação para a obra já foi lançada e as propostas serão recebidas em 7 de dezembro na sede da Itaipu em Foz do Iguaçu. A linha vai resolver a instabilidade de energia elétrica em Assunção, que hoje dificulta o trabalho de indústrias e empresas no país. (DP)

Fonte: Gazeta do Povo

Comments are closed.